Quem vem lá?

A noite era fria. Droga de trabalho, eu saio tarde demais! Logo hoje meu namorado não pode ir me buscar...
Parece que hoje está mais escuro que o normal, que coisa estranha. Nunca havia percebido que esse caminho tinha um ar tão sinistro.
Senti um frio na espinha de repente. Deve ser minha cabeça. Eu não acredito nessas coisas de espírito! Não há nada de mais.
O que foi isso? Oh! Meu Deus, o que aconteceu?
Ah! Não é nada. Foi o vento que agitou as árvores. O vento fez aquele barulho estranho, não tem ninguém me seguindo.
É melhor eu olhar para trás e conferir. Não, não há ninguém.
Minha respiração já está acelerada demais. Melhor eu me acalmar, um ataque de asma agora não seria a melhor coisa. Logo chegarei à ponte, lá é mais iluminado e sempre tem casais namorando nesse horário.
? O que aconteceu? Não tem ninguém aqui... Ah! Me esqueci que é Natal, todos estão em casa comemorando, menos eu.
Melhor eu apressar o passo se quiser chegar lá logo... E viva. Não ! Tire esses pensamentos da cabeça. Não tem ninguém vindo. Isso é mal.
Que ruído é esse? Ah! Só a lâmpada do poste queimando, calma aí! Todas queimando ao mesmo tempo? Isso está ficando muito estranho.
Quem está aí?
Começo a correr... Maldita pedra, eu tinha que tropeçar, eu tinha que cair.
Quem é você? Afaste-se de mim!
O que é isso? O que quer? Não! Não!

E é só disso que me lembro.

Comentários

Jaques Wolbeck disse…
que texto diferente gostei *---*
Tina disse…
É um tipo de texto que gosto de escrever, tenho facínio por pensamentos.. Tudo na visão de uma só pessoa, me entende?

Beijo
Natália disse…
Muito sinistro Oo' beijos
Tina disse…
Essa era a intenção ;

skakskakskaksa


Beeijo
alex disse…
lindo texto amr
*-*
ta fikando boa nisso em
ksapksapskapsakp
sueli aduan disse…
uall!!! que suspense!!! li de um só folego!!! gostei muito.
bjus
Tina disse…
É isso mesmo que eu queria.. Que as pessoas lessem no rítmo que eu escrevo: TUDO DE UMA SÓ VEZ!

skakskakska

Beeijos, amores

Postagens mais visitadas deste blog

O que eu quero.

"A bolsa amarela tava vazia à beça.