domingo, 31 de janeiro de 2010

Quando olho no espelho eu vejo uma garotinha. 5 anos, no máximo, eu diria. Uma garotinha de aparência tão frágil, tão indefesa que tenho até receio de magoá-la de alguma forma. Não sei se ela pode me ouvir, será que devo tentar? Espere. Os olhos dela, parecem em agonia. Parecem ter um buraco, um buraco negro neles. Estão tristes, amargos, amedrontados. Quero gritar, minha voz não sai, meus lábios parecem sequer se mexer, é como se eu não comandasse mais nenhum de meus sentidos. Não me movo para olhar para onde quero. Não posso tapar os ouvidos para não escutar meu subconsiente gemendo junto com o olhar da garota. Não sinto sequer o gosto da saliva em minha boca. O cheiro no ar é de medo, nada mais. Toda minha pele parece anestesiada, não sinto a temperatura do chão. Quem é essa garota? O que está fazendo comigo? Pare! Eu consigo finalmente gritar, a mim me soa como algo ensurdecedor. E de repente só o que vejo é o teto de meu quarto, e tudo está em paz novamente.

6 comentários:

biiah.frans disse...

Por incrivel que parece quando estou com medo fiko assim meia q paralisada sem saber como mi mexer..é momentaniu mas assusta...
bjoo
biiah

Tina disse...

ée.. acho que foi isso que eu tenteei explicaar ;}

beeijo

Alex kelven disse...

kkkkkkkkkkkkkkkk
medooo? Oo
eu nem sou tão medroso assim, né?

Tina disse...

você? Vaai saber, née?

skakskakskaksa

Carlos Eduardo Leal disse...

Fleur du Matin,
Uma menina de cinco anos que espera pela "resposta" da vida também tem as suas Fleurs du Mal (Baudelaire). Belo post!
Abraços,
Carlos Eduardo
veredaspulsionais.blogspot.com

Tina disse...

ai que bom que gostou!

sabe de uma coisa? Eu amo esse nome Baudelaire...

skakskakska

beeijo