domingo, 10 de janeiro de 2010

Uma razão, 2 comprimidos e uma dose de Whisky por favor.....


À princípio era uma necessidade.
Já não dormia, já não comia ( o que preocupava muito, acabaria sumindo), já não queria ver ninguém.
1/2 comprimido ao dia, durante 15 dias, aumentar a dose para 1 comprimido ao dia após esse período. Essa era a prescrição médica.

- Uma dose de Whisky por favor....
- Tem certeza disso policial Catner, a sua gastrite. - Alertou o velho e conhecido Barman.
- Cale a boca e enche o copo Tonny! - Enquanto o líquido preenchia o recipiente de vidro o homem de farda animou-se. - Assim esta melhor!
retirou a pistola do coldre e a deitou sobre o balcão, pegando o copo cheio logo depois.
- Como está o pequeno Marty Senhor? - Perguntou o Barman intrometendo-se no deleite do velho homem.
- Marty, ele está, bem melhor agora, morando com a mãe. O juiz decidiu que seria melhor para ele.
- Então vocês se separaram mesmo? Achei que fossem só boatos. Mas, poderá vê-lo, não poderá?
- Sim, aos finais de semana. Se ele quiser me ver.
- E por que não iria querer?
- Por quê? Ora pois, até parece que não conhece o que vai no coração dos homens, depois de tantos anos atrás desse balcão, meu caro, é quase inevitável não ser dado a pequenos arroubos interpretativos, e além do mais, Mary é figura sempre presente por aqui, até onde sei, segredou com você que o pequeno Marty jamais voltaria àquela casa. Mesmo que eu o quisesse encontrar fora dela. Bem, talvez seja de mim que ele foge e não do passado.
- Não fique remoendo essa história, meu amigo, o que passou passou. Você não tem culpa de que a Mary não tenha suportado a vida com um homem que segue os antigos modos, ela é apenas uma romântica.
- É mesmo, mais quanto ela briga bate como um verdadeiro homem das antigas. Catner esboçou um sorriso de saudade e virou o copo que estava em sua mão.
- Bom hora de ir Tonny, o trabalho me chama.
- Bom, boa sorte com seu pequeno filho Senhor. - Despediu-se o homem dos copos.
- Obrigado Tonny, obrigado.

O velho Policial guardou sua arma em seu coldre e virou as costas para o bar, agora iria enfrentar o sol da tarde do céu laranja de Guenngray sua amada cidade. Abriu com um click o trinco da porta de sua viatura entrou, deu a partida e olhou mais uma vez para o bar na esperança de rever Mery, mas não passava de um sonho que vinha acalentado há muito tempo. Ainda que a mágoa estivesse sempre presente, ainda assim, sorria só em pensar na possibilidade de tê-la uma vez mais. Tal possibilidade, logicamente, é inexistente dado ao conflito existente.

Catner adentrou a noite com uma dose de Whisky, e olhou o céu estrelado daquela noite calorenta, parou o carro no mirante de Guenngray e com arma em punho e as luzes da cidade ao fundo, gritou horrores em nome de Mary e com as lágrimas nos olhos, balbuciou o nome de Marty.

"Ah meu pequeno Marty, viva a vida como um homem decente, seja o pai que eu nunca fui"

Um gatilho apertado e uma bala gasta, e só a lua viu o desespero daquela noite calorenta e os pensamentos insanos daquele que já não era mais um homem, mais apenas um retalho.

Fim.

Texto escrito por: Katia Mota, Youkai, Tina e Léo Metallica.

8 comentários:

Alex kelven disse...

A cada dia que passa vc fica mais e mais boa nisso hem
kkkkkk
texto muito bom, de 1 a 10.....
nota 10
=D

Luana Andrade disse...

Jess,
Há um talento notável nestas linhas para escrita. Que texto intenso! Permeado por indagações, detalhes, ações inesperadas... Eu adorei! Sinceramente, ótimo. Gostei do cunho narrativo e o título me deixou embevecida *-*. Abraço.
A propósito, obrigada por citar o "confessionário", sua memória é perspicaz e eu adoro. ;*

Lu

Tina disse...

Muito obrigaada, meu amor :D

---------

Lu.. Como me esqueceria do confessionário!

:D


|Beeijos

●๋• тнαi иαรciмєитσ disse...

O texto ficou muito massa, adorei!

Só fiquei pensando no motivo da separação. Curiosidade...

***MissUniversoPróprio*** disse...

Hum...triste.

=/

Obrigada pela visita, flor. ;)

Beijocas!

Tina disse...

É.. Gosto quando fica assim no ar. Dai cada um dá o final que acha merecedor :D

-----------

De nada, Miis.. É sempre ótimo te visitaar

Mariana disse...

woooooow que história, triste, mas com um belo texto! achei super inteligente, parabéns! :) e obrigada por ir la no blog, adoro!
beijos!

Tina disse...

De naada, eu que tenho que agradecer A um elogio desses! :D

Beijos