Nós conversávamos há algum tempo, na verdade deveriam ser uns 5 ou 10 minutos, falávamos sobre coisas diversas e, na verdade, eu não sei bem porque ela começou a me contar isso.
- Esses dias chegou um menino lá onde eu trabalho, sabe o fulano?
- Não. Mas fale.
- Então, ele chegou com um outro garoto, e eles estavam de mãos dadas, então eu falei, porque eu achei que era mais do que óbvio!
"-Esse é o teu irmão?
- Não.
-Então é o teu primo?
- Não.
-Amigo?
-Bem... Não."
Foi quando eu fiquei muito encabulada - continuou ela - porque eu não achava possível!
"-Err.... É teu namorado?
- Sim."
Com isso eu fiquei muito sem graça e disse "Ah! Legal!" - e com isso sua narração terminou e eu, que até então só ouvia, fiquei completamente sem saber o que dizer. O que ela esperava que eu fizesse? Então ela continuou:
- Poxa! Eu realmente não imaginava que ele fosse dizer isso! Não acredito! Ele é tão bonito, e anda todo arrumado, não parece mesmo veado!
Não disse nada ainda, mas pelo jeito eu, como sempre, não consegui esconder o que pensava, ela só me olhou e ficou meio sem graça, tentando se explicar.
- Não que eu seja preconceituosa, ou não ache normal, apenas não consegui perceber de cara que ele é homossexual.
Estranho como ela usou esse termo agora, apesar de ter usado outro antes, eu tentei argumentar, mas ela sempre falava mais e mais, e quanto mais tentava "arrumar" mais piorava sua situação, se contradizendo e usando palavras complicadas. Pobres pequenos burgueses que se acham melhores que todos mas querem agradar a todos.

Comentários

Daniela disse…
Não consigo entender porque tem gente tão preconceituosa nesse munda. Elas não devem aceitar as próprias diferenças... Gostei do texto.
Jéssica Marques disse…
Sequer se aceitam como tal

Postagens mais visitadas deste blog

O que eu quero.

"A bolsa amarela tava vazia à beça.