quinta-feira, 27 de setembro de 2012


Ai, que falta me fazem as tardes em que podia devorar um livro após o outro!

terça-feira, 25 de setembro de 2012

E aqui...


...estou eu de novo, como quem nada mais tem a fazer. Setembro passou tão rápido que nem tive olhos para ver. Ainda me pergunto sobre as escolhas que faço, e me surpreendo com minhas respostas. Deixar. Deixar e estar. Ficar. Ir e vir. Parece que já foi tudo feito tantas vezes. E que o tempo passou tão rápido que eu queria poder pará-lo um pouco. Não. Não no agora. Do agora não quero mais do que já tenho. Quero mais dos dias que são só meus. Quero mais de você. Pode parecer minha culpa, e talvez seja por querer tanto de tudo, e eu sei, não entendo mas sei, que ainda vou ter. E por isso não paro. Vou e volto quanto for necessário. Te tenho e deixo sem deixar. E quero, quero e insisto no querer. Não me arrependo da gula e espero. Porque a calma ainda pode ser minha virtude. Assim que eu a recuperar.

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

Foi num momento de distração, eu sequer tinha percebido. Foi num olhar assim de lado, foi sem pensar, sem perceber. Eu fui chegando assim mais perto, e ele veio cá também. Não sei das intenções, nem das minhas, aliás. Só sei que aconteceu, que tanta coisa aconteceu. Sei de sorrisos, sei de mãos que se seguram. Sei de timidez. Sei de beijos e carinhos, sei de brigas desnecessárias. Se de reconciliações, de idas e vindas. Sei do tempo passando. Sei da vida mudando. Sei de tanta coisa! Sinto tanta coisa. Está tudo tão diferente e ao mesmo tempo tão igual. E como eu quero que fique igual! Como eu quero que o tempo não mude essa reciprocidade. Que não mudem as brincadeiras, que não mudem os sorrisos, que não mudem os carinhos, ou as mãos que se seguram. E mesmo que o dobro de tempo passe, ou mais do que isso, que você saiba o quanto é importante para mim. E que eu te amo muito Alex.

3 anos da gente!