sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

Resenha da série: O mochileiro das galáxias


Título: Hitchhiker's Guide
Título no Brasil: O mochileiro das galáxias
Autor: Douglas Adams
Editora: Sextante
Páginas: 823
Sinopse: No final da década de 1970, quando os primeiros capítulos de O Guia do Mochileiro das Galáxias foram enviados para a rádio BBC em Londres, ninguém imaginava que seria um sucesso estrondoso em pouco tempo. A combinação bem sucedida de ficção e comédia harmonizou perfeitamente. Na sequência, Douglas Adams escreveu a lendária série de cinco livros que vendeu mais de quinze milhões de cópias pelo mundo. Mestre da sátira, Adams cria personagens inesquecíveis e situações mirabolantes para debochar da burocracia, dos políticos, da alta cultura e de diversas instituições atuais. Seus livros, que tratam em última instância da busca do sentido da vida, não só divertem como também fazem pensar.

Há poucos dias terminei de ler a série composta por cinco livros - O guia do mochileiro das galáxias; O restaurante no fim do Universo; A vida, o Universo e tudo o mais; Até mais, e obrigado pelos peixes; e Praticamente inofensiva.

Não é a toa que os livros de Adams possuem tantos fãs! Com um humor único e sarcástico, me prendeu durante todos os livros, em especial o último, que posso dizer que foi meu favorito.

Neles, é possível acompanhar a estória dos dois terráqueos, Arthur Dent e Tricia McMillan (Trillan) e seu amigo Ford Prefect através das galáxias, universos e eras.

Está, com certeza, entre as melhores séries que já li!



terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Aquela cidade!

Depois de um tempo eu a podia sentir como grades, que se fechavam em torno de mim e me prendiam.
Não nasci para ser árvore, não nasci para criar raízes.
Eu sou do mundo inteiro!
E o mundo inteiro é muito grande.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

A censura ainda existe!

 O que é bom e faz pensar, questionar, não tem espaço na mídia. Ouvimos e vemos, somos atacados por música e programas de TV sem qualidade alguma. Perdi a conta da quantidade de vezes que ouvi pessoas dizendo que a música ou cinema brasileiro "não prestam". Mal entendem elas que não os conhecem verdadeiramente e que o que conhecem do que vem de fora - basicamente filmes e música americana - muitas vezes vem censurado também.

- Ah! Mais filme brasileiro tem muito palavrão!

Assista a um filme americano bem legendado, ou com o mínimo de conhecimento da língua para perceber que eles também os tem. Mas a dublagem - censura - encobre tudo e deixa "bonitinho" para a sociedade ver e gostar, e preferir.

Existe a falsa ideia de que tudo que vem de fora é bom e que o Brasil não tem conserto. Mas não terá mesmo se não houver força de vontade para melhorar. Se quem compartilhou imagens com os dizeres "O gigante acordou" em julho condenar quem persiste até agora. Se desistirem e voltarem a suas vidinhas de reclamar para o vizinho mas não levar às autoridades - a quem tem o poder para fazer alguma coisa, e nem cobrar por isso depois!

Se se contentarem com fotos segurando cartazes com frases que copiaram da internet - porque tem preguiça de pensar por si, de pensar no que queriam reivindicar.

É mais fácil - e acreditam mais bonito - parcelar o máximo de vezes que conseguirem um IPhone para tirar fotos - no espelho, é claro, para que ele apareça - e postar, de cada momento do seu dia. Mal percebem a hipocrisia que vivem e idolatram. Endeusaram o consumo!

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Bebi


E bebi porque na hora me pareceu o melhor a fazer,
muito embora tudo isso agora me pareça vão.
Bebi por não compreender, sorri sem risos dentro de mim e no fim:
aqui estou.

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Cíntia

Eu almoçava. Ela chegou olhando em volta, óculos escuros e jeito curioso. Havia mesas vazias e eu comia a um canto. Caminhou até mim e perguntou:

- Tem alguém sentado aqui? - Indicando a cadeira ao meu lado.

- Não. Fique a vontade!

Me perguntei sobre os motivos que a levaram a querer minha companhia. Nesse meu último ano e meio de almoços em restaurantes vi tipos e costumes. É engraçado quanta gente diferente cabe em uma cidade pequena. Mas o que me intriga é que grande parte dessas pessoas almoça sozinha.

Começamos a conversar e percebi que ela só poderia ter sido enviada a mim, para compartilhar seu suco e sua filosofia. Eu a olhava e me via, um tanto modificada, mas ainda eu. Sua entrega, sinceridade e simpatia me tocaram profundamente.

Aquela mulher, que sem razão veio, sentou-se ao meu lado, almoçou e se foi, me disse, entre outras coisas, o que eu precisava e queria ouvir, antes mesmo que eu dissesse que concordava com cada palavra que saia de sua boca, coberta por batom rosa.

- Não sei lidar com mau humor, gosto de gente que sorri! [...] Boa educação é o essencial! [...] A gente recebe de volta aquilo que distribui e não é uma cara feia que eu quero que volte para mim. [...] Faça aquilo que você gosta, de maneira que teu sorriso venha daqui até aqui enquanto trabalha. - E mostrava as orelhas com os indicadores.

Cíntia se foi e eu me indagava sobre sua existência. Ela saiu e eu fiquei observando seu prato, a única prova de que ela estivera ali.

Espero que não se chateie por postar fotos tuas, mas é que achei muito bo-bonita!

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Me disseram

Me disseram que deveria ter pretensões maiores. Após pensar no assunto me decidi que elas são - ou estão - do tamanho que deveriam. Não me vejo querendo mais no momento, nem acho que o que espero para mim seja pouco.

Quero o que quero, querer mais seria mentir, me iludir! Talvez queira mais ou diferente no futuro, mas para quê perder o presente pensando em tal? Crescer, não sei quando crescerei, mas espero estar aprendendo alguma coisa.

Hoje pensei sobre o que eu sou e como sou. Foi tão fácil chegar a essa conclusão que é até assustador. O misto de coisas que eu sou pode ser incompreensível para muita gente, mas é tão simples para mim.

Homem, mulher: são apenas rótulos. Meu corpo não define quem eu sou e talvez eu tenha tido medo de dizer, pelo modo como seria julgada, pela forma como quem me acompanha também o seria.

No momento, espero um dia conseguir dizer abertamente que parte de minh'alma é masculina e outra dela feminina. Gêneros me parecem vagos e a sexualidade pouco tem a ver com isso. Muitas vezes ser entendido não é ser compreendido.

40 luas


E nós ali olhando o céu.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

Acho que vou escrever algo tosco.

Algo assim como um "parabéns para você"!

Tag - The Name Book

Vi essa Tag no blog O Maravilhoso Mundo da Leitura, da Liziane, achei a ideia muito legal e resolvi fazer.
A Tag consiste em mostrar seus livros cujo título comece com a inicial do seu nome.

obs.: Os artigos podem ser desconsiderados e a segunda palavra utilizada.

J-É-S-S-I-C-A

J - Confesso que não tenho nenhum livro na minha estante cujo nome comece com a letra J. Então selecionei um que li há algum tempo.


E - Ganhei este livro de um senhor que queria compartilhar sua coleção com pessoas que a leriam "ao invés de deixar juntando pó", em suas próprias palavras.


S - Último livro das Crônicas dos Kane, ótima trilogia do Rick Riordan.



S - Sério. Eu só tenho um livro cujo título comece com a letra S. Mas aí está uma das aventuras de um dos meus personagens favoritos: Robert Langdon.


I - O último livro que li, o final ainda ecoa na minha cabeça.


C - Ganhei de um projeto da escola em que eu estudava quando estava na quarta série. Acredito que este projeto tenha uma grande importância no meu gosto pela leitura. Afinal, apresentar os irmãos Grimm para uma garota de 10 anos não é qualquer coisa!


A - O teatro de Gil Vicente, uma grande inspiração para uma aspirante a atriz no mundo dos sonhos.


segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Trecho de um diálogo

[...]

- Quando eu era criança tinha medo de ficar preta. Eu não queria ser preta e continuo não querendo!

[alguém argumenta]

- Ah! Eu não queria ser preta não, credo! Imaginem só! Ou vocês acham que quem é preto também não queria ser branco?

[eu com cara de paisagem]

Dito em 2013 por uma mulher branca,
"loira",
olhos azuis,
27 anos,
classe média,
Ensino Superior completo.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Resultado do sorteio nº1

Olá! Como combinado, acabei de realizar, via Sorteador, o primeiro sorteio aqui do blog. Para quem não se lembra, o prêmio era o livro Ressurreição Poética, do Danilo Fernando de Oliveira, do blog Oásis.


Muito bem, sem mais enrolação, o vencedor é...
Inscrição número 10, Rudynalva Correia Soares! Parabéns, Rudynalva! E, abaixo, a confirmação de que ela seguiu todas as regras:

1) Ser seguidor público do blog Caramelo de Limão;


2) Ser seguidor público do blog Oásis;


3) Ter endereço de entrega no Brasil: Ainda confirmarei por e-mail.
4) Deixar um comentário nesta postagem.



Como a Rudynalva ganhou utilizando a chance extra, podem conferir aqui sua divulgação no Facebook.

É isso, pessoal. Se não ganhou, pode comprar o livro aqui, também disponível em PDF!

Espero que esta tenha sido a primeira de diversas promoções aqui do blog. Entrarei em contato com a vencedora através do e-mail informado e ela tem uma semana para responder, caso contrário outro sorteio será realizado.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Passar o dia com você.

Passar o dia com você
me faz pensar em como seria
se aquela casa de madeira
fosse nossa.

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Sobre Feliciano e a mídia.

Primeiramente, gostaria que lessem esta reportagem publicada hoje no site do PSTU.


E outra vez o show vale mais! Como esse cara ainda está onde está? Porque ele dá mídia, ele chama a atenção. Para mim não passa de um artífice, um abuso criado para que os holofotes ocultem muito mais do que acontece nas nossas costas - ou embaixo de nossos narizes? É ridícula a forma como nos usam e agridem - física e moralmente. Estão dividindo o Brasil! Distorcendo textos religiosos, alienando massas e voltando-as contra o restante da população! Querem fazer com que nos destruamos uns aos outros. Incitam atos violentos como o em questão para os transformar em espetáculos e rirem-se enquanto o circo - sim, o circo - pega fogo!

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Rio



Há algum tempo eu disse que não te queria mais,
que foi um caso passageiro,
uma noite assim...

E nesse dia eu sei que soube que não poderia ser
na vida de alguém
menos que um porém.

Você veio!
Como quem sobe um rio
e você veio!
Veio e não partiu...
Você veio!
Porque dentro de mim era o vazio.

Há algum eu disse que estava bem assim,
não precisava que me dessem
um amor sem fim...

E nesse dia eu sei que soube que não poderia haver
a vida de alguém
sem um outro alguém.

Você veio!
Como quem sobe um rio
e você veio!
Veio e não partiu...
Você veio!
Porque dentro de mim...
Você veio!
Como quem sobe um rio
e você veio!
Veio e não partiu...
Você veio!
Porque dentro de mim era o vazio.

terça-feira, 3 de setembro de 2013

sexta-feira, 30 de agosto de 2013


E, para mim
um pouco mais da vergonha que sinto
cada vez que dou mais um passo
ouvindo ao fundo o lamurio
de quem só queria um olhar.

Um copo de água gelada
para curar minha ressaca
de calor.
Mero acaso,
brincadeira do destino.
Será por isso que não nasci menino?

quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Eu, navio
eu, pirata
eu, maluco
eu, primata.
Bom dia, mais um dia!
Bom dia, poetas do passado
que me mandaram um aceno
para que fosse viver do pecado.

terça-feira, 27 de agosto de 2013

Sorteio nº 1! [ENCERRADO]

[SORTEIO ENCERRADO]

Ganhador aqui!

Depois de quatro anos, um mês e quatro dias de existência do Caramelo de Limão, farei seu primeiro sorteio, que será do seguinte livro:



É o livro Ressurreição Poética, do Danilo Fernando de Oliveira, do blog, Oásis, que disponibilizou dois exemplares para o blog. Um é meu, é claro! Devorei em uma só noite e a resenha vocês podem conferir aqui.

E o outro exemplar será sorteado no dia 27 de setembro via Sorteador. O ganhador terá uma semana para responder o contato, caso contrário será realizado um novo sorteio.

Para participar é simples, basta seguir as seguintes regras:

1) Ser seguidor público do blog Caramelo de Limão;
2) Ser seguidor público do blog Oásis;
3) Ter endereço de entrega no Brasil;
4) Deixar um comentário nesta postagem com o seguinte modelo:

número do comentário (o primeiro é 1, o segundo 2, o terceiro 3 etc...)
seu nome
seu nome de seguidor
e-mail válido (através do qual entrarei em contato)

Mas, para quem não se satisfaz com apenas uma participação, pode ter até duas chances extras!

1ª) Curtir a página do blog Caramelo de Limão no Facebook;
2ª) Compartilhar este post em alguma rede social.

Para cada chance extra, pode-se fazer mais uma inscrição, comentando novamente - com outro número - e colocando ao final do comentário o link do post compartilhado na rede social ou o link do perfil com o qual curtiu a página no Facebook.

ATENÇÃO! Serão, no máximo, três inscrições por pessoa, ou seja, você pode compartilhar o quanto quiser em qualquer rede social mas pode efetuar apenas uma inscrição extra por isso.

Então, é isso! Daqui um mês o sorteio será realizado e divulgado aqui no blog e o contato feito com o ganhador. Boa sorte a todos!

segunda-feira, 26 de agosto de 2013

Resenha: Ressurreição poética - Danilo Fernando de Oliveira

Título: Ressurreição poética
Autor: Danilo Fernando de Oliveira
Páginas: 104
Sinopse: Não há uma ordem cronológica, neste livro, com relação aos poemas que nele se apresentam, também não há uma ordem específica ou preordenada que os possa definir como um ciclo, ou queira apontar uma continuidade entre um e outro, mesmo estando ligados entre si, ainda que indiretamente. O "poeta" apresenta em seus poemas a mais pura manifestação da poesia, ainda com a não observação de moldes ou formas, trata de assuntos pessoais que se expandem a questionar os leitores. Percebe-se a profunda observação e reflexão do autor, às vezes triste e ao mesmo tempo feliz e cheio de esperanças. O amor e os amores estão sempre presentes, palavras são ditas diretamente a uma pessoa desconhecida que já foi conhecida pelo poeta várias vezes; a pessoa que se ama é conhecida e desconhecida. Não há muito o que se dizer através de palavras sobre essa reunião de palavras escritas por um menino dos séculos XX e XXI, um menino que se atrapalha com as palavras, mas através delas tenta dizer a que e porque veio.

"Os poetas morrem cedo, morrem de amor e de medo"

Todos temos amores pela vida. Amamos ainda que não assumamos tal. Amores infantis, adolescentes, amores amadurecidos ou não. Todos amam, mas poucos como os poetas.

O livro trás a reunião de diversos escritos de um jovem poeta, seus amores, confusões e desejos, os quais, carregados de sentimentos, contam a sua história.

Não há o que dizer, basta ler e sentir.

Há seis meses

17h56, 25 ago - Seis meses atrás, neste horário, eu ainda não sabia o que iria acontecer mais tarde.

18h12, 25 ago - Seis meses atrás eu só queria um pouco de paz para a minha alma, um dos dias mais longos da minha vida... E tão importante...

23h47, 25 ago - E a seis meses atrás, neste horário, estávamos tendo uma conversa muito séria e eu achei que seria a última.

23h51, 25 ago - Nesta hora já estávamos em paz, falando sobre coisas boas que já nem me lembro mais tantas eram.

1h33, 26 ago - A seis meses atrás, mais ou menos numa hora dessas dávamos nosso primeiro beijo.

5h06, 26 ago - A seis meses atrás numa hora dessas, nós dormíamos juntos num colchão no chão do meu quarto. E choveu.

5h27, 26 ago - A seis meses atrás eu vi pela primeira vez você com o rosto nu repousado no travesseiro, dormindo e eu olhando, tentando entender a vontade que eu tinha de te beijar de novo...

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Enleio

Por que, às vezes, o beijo que a gente beija numa boca que já beijou parece o primeiro beijo beijado?

domingo, 11 de agosto de 2013

Perdi a conta.

Perdi a conta dos projetos que comecei. Nem sei mais se sou capaz de terminá-los. Talvez seja por desmotivação ou só preguiça mesmo. Quem sabe eu seja assim: só de pensar. Fantasiar é muito fácil, criar um mundo que dê certo. Pois é, preciso de alguém que pegue no meu pé!

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Eu acreditava em amor a primeira vista.

Assim, no passado. Eu sei que é uma coisa bonita a se acreditar mas me parece meio vazio agora. Acredito no amor aos pouquinhos, aquele que vem devagar e aumenta a cada detalhe. Não dá para dizer exatamente quando chegou, primeiro vem a vaga ideia de que talvez se ame, e ela vai crescendo em si até virar certeza. Não tem data, horário, lugar. Não é amor planejado, amor marcado, amor de hora certa. É só uma coisa que vem sem ser chamada. E agrada.

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Não pense que eu sou louco.

Quanto vale esse sorriso, menina
que 'cê deu agora há pouco?

Não tem ouro nem tem prata, menina.
Diz que eu dou tudo em dobro.

Vou andando pro seu lado, menina.
Mas não pense que eu sou louco.

É só que esse sorriso,
sorriso de farol,
sabe bem guiar,
sabe me guiar.