segunda-feira, 11 de março de 2013

Enquanto o tempo passa

Você me olha com esses olhos míopes. Estou com tanto sono. Eu, que costumo querer dormir, quero ficar. Você está tão diferente de quando te conheci, me lembro tão pouco do dia, porque você não era exatamente a pessoa que me chamava mais a atenção, até mesmo porque eu não queria que ninguém me chamasse a atenção. Queria só ficar ali sentada, talvez dar umas risadas, e aprender como se faz para não repetir tudo de errado.

Eu olhava ao redor, mas mal me lembro de você, confesso. Me lembro dele passar, me lembro dela chegar, mas não me lembro de você. Talvez já estivesse lá. Talvez sempre tenha estado por aí. Eu não sou o tipo de pessoa que faz boas escolhas, mas também não diria que faço escolhas ruins. Escolhas são simplesmente escolhas, implicam em muita coisa, é verdade, mas isso não muda o fato de que precisam ser feitas.

Eu tentei não fazer nada, mas o fazer já é parte de mim. Então, no fim ou no começo - apesar de se parecer mais com um meio - você está aqui, me olhando com seus olhos míopes enquanto eu transcendo entre o dormente e o acordado e sorrio bobamente. Estou com tanto sono. Já é tarde - ou cedo - e ir embora não é mais uma opção. Então a gente só vai ficando, eu indo e vindo, e ele me olhando com esses olhos míopes.

5 comentários:

Suzana disse...

Gostei do texto, parece que tem muito mais coisa pra ser dita atrás dele...

help-adolecentro.blogspot.com.br/

Kaka Klemp disse...

Lindo!!!

Jéssica Marques disse...

Obrigada, meninas. É, pode ser que tenha muito mais mesmo, Suzana, mas não sei bem se tenho o direito de dizer (:

Rebeca C. Souza disse...

(Respondendo a pergunta:

"Sabe, Jéssica. Eu escrevo faz anos e não que eu pense ou deseje parar de escrever, longe disso! Acho que me falta perseverança, entende? Fé para acreditar que um dia eu vou acontecer, que as coisas vão acontecer, que alguém vai me parar na rua e dizer "Rebeca, aquele texto seu que você postou ontem era exatamente o que eu precisava ler. Como se você tivesse escrito pra mim..." Eu não tenho medo do não, nunca tive. Nem de rejeição ou coisas do gênero. Mas eu queria um retorno! Eu preciso de um retorno. De gente que leia o que eu escrevo e me diga alguma coisa. Que está fabuloso ou que está uma porcaria. Então, mesmo não querendo eu fico criando expectativas em cima disso e não quero que minha escrita se torne apenas o reflexo das minhas frustrações. Quero muito mais! Então, para ser honesta comigo e com vocês eu prefiro sair um pouco de cena. Quem sabe para amadurecer de fato e voltar com força e coragem para seguir adiante."

Jéssica Marques disse...

Bem, eu penso um pouco diferente de você, Rebeca, e acho que seja por isso que ainda escrevo. O retorno é bom - é ótimo, na verdade - mas não extremamente necessário.

É claro que muita gente, inclusive eu, se sente desanimado para escrever se ninguém lê, mas é para isso que eu tenho meus amigos! Eles sempre foram importantíssimos, desde o começo do blog, há 3 anos.

Eles leem e comentam mesmo quando eu sei que está uma porcaria! E até me pego escrevendo para eles, às vezes.

Acredite, se você realmente gosta do que faz, vai sentir falta e querer voltar. Mas, lembre-se de que o reconhecimento não vem de um dia para o outro, e sim com o tempo, divulgação, paciência...

Espero ter ajudado :D