quarta-feira, 27 de agosto de 2014

De onde eu venho?


Eu tenho um vazio dentro de mim.Uma imensidão inexplicável. Um sorriso triste de quem grita: "Não sou daqui!".

Só não sei de onde sou.

Eu vivo a felicidade que me permito sentir. Os sorrisos que posso ter.

Mas, quando se aproxima de mim o mal eu o sinto, como uma presença palpável em meu peito: Querem que eu seja má. Querem que eu deseje o mal.

De onde eu venho isso não existe, não é visto como comum, usual. Me dói não poder voltar, não saber como.

Ou talvez, eu volte todos os dias, depois que o sol já está se recolhendo, e por lá fique até pela manhã, no nosso mundo de felicidade.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

No escuro hall de entrada, eu só via aquelas sombras...
E a garrafa na mesinha, mal se via na penumbra.
Agora só eu e a estrada, que tremula, que tremula.

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Hoje eu descobri.

Descobri que gosto de aprender Matemática, que sinto falta de ler e que gostaria de escrever mais. Hoje, num só instante, eu descobri que gosto de ensinar, mas que não tenho gosto no desgosto alheio, que o não me dói.

Assim, de repente e com muita gente olhando, eu me peguei no rumo errado, do jeito errado. Talvez seja só questão de aprender a fazer, ou então fosse melhor repensar o quanto antes minha vida profissional.

Vida profissional! Pensei que eu nunca diria isso! Minha vida tomou um rumo estranho e de repente eu cresci... Cresci sem crescer.

Acho que me resta aprender a ser grande mesmo sendo pequena, aprender a brincar de adulto sendo criança, aprender a brincar de números, mesmo sendo letra.