- Oi, Tia!


- Oi!
- É o meu pai que morreu, tia.
- É... Me disseram. Ele estava doente?
- Estava...
Procurei palavras, o que se diz a alguém que acabou de perder o pai? Não faço a menor ideia. Então simplesmente a abracei. Esperei que ela chorasse, o choro não veio. Então a soltei e olhei para seu rosto. Ela incrivelmente sorria. Me apontou uma mesa com café, pães, chá essas comidas que geralmente se vê em velórios:
- Come aí, tia!
Sorri.
- Obrigada.
E ela saiu saltitando, como se nada a pudesse abalar.

Comentários

Pedro Laperuta disse…
Como sempre, espalhando emoções... vc realmente é muito boa nisso! Simples e lindo.

รяª Nathalia disse…
Que cena estranha '-'
Mas não deixa de ser verdadeira.
Jéssica Marques disse…
Mas foi a estranheza dela que me fez querer escrever

Postagens mais visitadas deste blog

O que eu quero.

"A bolsa amarela tava vazia à beça.