quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Sem palavras


"Não é medo, nem é riso
Não é raso, não é pouco, nem é oco
Não é fato, nem é mito
Não é raro, não é tolo, não é louco
Não é isso, não é rouco
Não é fraco, não é dito, não é morto
Não, não, não, não!"

Uma vez alguém me disse que essa música o fazia se lembrar de mim. Até hoje não sei se isso é bom ou ruim.

2 comentários:

Pedro Henrique disse...

A diferença entre o indecifrável e o fascinante esta exclusivamente na pessoa que a vê!
A vontade de descobrir mesmo sabendo, talvez, que nunca o vai, por completo, faz de você uma porta que não se quer abrir ou então um mundo no qual se deseja viver! É o que eu acho Fleur... C=

Jéssica Marques disse...

*------------*