quarta-feira, 27 de outubro de 2010

"Não é...

...tão diferente do que eu já fui um dia, se vai ficar, se vai passar... não sei! Em um piscar de olhos lembro o tanto que falei, deixei, calei e até me importei, mas não tem nada, eu estava mesmo errada. [...] Vendo de camarote a novela da vida alheia, sugerindo soluções, discutindo relações."
Assim somos nós, atirando a primeira pedra sem saber onde vai cair, talvez caia em nosso tecto, pobre tecto de vidro, será que até que caia o dono do tecto já terá aprendido que não se deve jogar pedras? Eu, infelizmente, precisei ser atingida para entender.
Estou no colégio, e olhando em volta vejo que a futilidade tomou conta da geração jovem, o "futuro do país", futuro fútil, onde mais importa saber quem fugiu com quem ou infernizar a professora que respeitar as pessoas ou fazer o que deve ser feito em um colégio: estudar.
Não falo de ninguém em particular, mas simplesmente por ter dito estar no colégio já serei alvo de pedras. É! Gostaria de saber onde se esconde a liberdade de expressão nesse país.

2 comentários:

Ѽ 'MαяιScнмitz ♀ {Lady Evil} ☠ disse...

Adooorei o que escreveu.

liberdade de expressão só existe para aquele que TEM papas na lingua.

Otemo fds!
thaaanks pela visiiita!
e li o texto que me recomendou ^^


beeijos :*

Tina disse...

é.. com certeza isso eu não tenho, às vezes acho ruim, mas depois percebo que é bom até :D

beijo