sexta-feira, 4 de junho de 2010

Vida simples, vida boa!

- Enquanto o café passa lentamente pelo coador eu, olhando pela janela vejo o terreiro, levo na mão uma pequena xícara, que ganhei de presente de casamento. Parece que foi ontem a festa... Todo mundo dançando e se divertindo, família, amigos, até minha mãe. Coitada! Está tão doente, hoje vou visitá-la, vou levar a Inosan para que ela a veja.
O café fica pronto, termino meu serviço aqui na cozinha, tudo com o mínimo de ruído possível para não acordar meu bebê. Mas é em vão, ouço seu choro baixo, mas de quem sabe o que quer: leite. Ninguém nunca me disse que seria fácil essa vida de casada, mas eu fiz o que eu quis, me casei por amor, e não foi com o primeiro namorado que tive. Muitas das mulheres da vila ficaram indignadas, onde se vira isso? Disseram que minha mãe deveria me proibir de ver tantas fitas de cinema. Mas não foi o que ela fez. Ela fez o que deveria fazer, é quem eu mais amo nessa vida!

-------------------------------------------

Cerca de dois meses depois minha mãe morreu. Criei praticamente sozinha, se não fosse meu marido, cinco filhos. Quando a mais nova tinha 16 anos ele morreu. Hoje sou mãe, avó. E tenho orgulho de tudo o que fiz.


(Baseado em um depoimento real);

2 comentários:

~* Bruna Morais disse...

Uauu... bem interessante.
parabbéns.

Tina disse...

Obrigaada, amr!